29 de junho de 2018

Seu toque, sua boca

Sinto sua barba tocando no meu rosto, seus sussurros ao pé do meu ouvido. Minhas costas estão contra a parede e suas mãos no meu corpo. Você segura minha mão, beija meu pescoço, meu suspiro te incentiva, meu coração está batendo tão rápido que parece que vai sair do meu peito. Você desliza a outra mão pelo meu ombro e vai descendo pelo braço, chega mais perto, o tempo parece parar enquanto você beija minha clavícula. Eu fico sem reação nos seus braços. Você pode fazer o que quiser comigo ali, entre suas mãos e seus beijos. E você sabe disso.

Sabe que cada suspiro é um pedido para que você não pare. Sabe porque minha pele se arrepia e meu corpo reage sozinho. Eu não tenho controle nenhum. Estou nas suas mãos e tudo o que eu quero é continuar ali. Sentir seus lábios tocarem minha orelha, meu pescoço, meu rosto, minha boca. Sentir suas mãos deslizando por baixo da minha saia como quem já sabe o caminho, mas gosta de apreciar a vista. Tudo o que eu quero é o fim desse momento, mas quero lento, quero com calma, quero com gosto.

27 de junho de 2018

Amigos

Eu gosto das pessoas que vem para somar
Que te fazem dar risadas até doer a barriga e
Que te trazem o desejo de escrever poesia sobre a leveza dos dias.

Eu gosto daqueles que te desafiam a mudar
Que te levam à lugares diferentes e
Que te fazem passar vergonha sem se importar.

Eu gosto dos que vão e vêm, mas que sempre vêm e trazem com eles aquele gostinho de quero mais.

21 de junho de 2018

Qual a chance?

As vezes eu me pergunto qual a chance de alguém se apaixonar por mim. Eu que não sou toda delicada, que falo alto e, por vezes, falo muito. Que me apaixono antes de realmente conhecer a pessoa, que sou meio antisocial e não bebo. Eu que não tenho corpo de capa de revista e cujo cabelo possui vontade própria. Que não me encaixo em nada nesse modelo de mulher que eu acho que merece amor, mas que mesmo assim desejo muito conhecer esse sentimento.

Como faz para a rejeição não doer? Como faz para não se sentir diminuída diante da preferência do @ por outra pessoa? Será que existe alguém por aí que gostaria de mim do jeitinho que eu sou? Porque eu quero mudar para me encaixar no meu modelo, tentar isso. Mas ao mesmo tempo gostaria de me sentir amada exatamente pelo que sou.

Será que alguém vai me amar enquanto eu falar pelos cotovelos? Enquanto eu preferir sair e comer bem do que fingir que sou fitness? Enquanto eu for mandona do jeito que sou e ficar com a voz aguda quando ficar irritada? Será que eu posso esperar encantar alguém assim? Quando paro para sentir sinto que nunca ninguém vai gostar de mim pelo que sou. E dói. Dói ver outra pessoa sendo preferida por quem despertava meu interesse. Dói não me encaixar nesse modelo que eu mesma criei e ver outras pessoas que se encaixam levar aquilo que eu queria. E dói essa incerteza de não saber se eu estou certa em me sentir doída

19 de junho de 2018

I didn't expect him at all

We have absolutely nothing in common. Lie. We have one thing in common and it is the fact that we were friends in the past. That is it. But still... when I heard his voice calling my name my heart raced so fast that I couldn't breathe. It was like my body wasn't responding to me anymore. It was responding to him and only him. I turned to look at him, respond the calling, and my stomach went crazy fool of butterflies, giving me a cold chill that I have never felt. Until this day I have no idea of how he did that. I was half prepared, I knew he would be there, he had confirmed in the event, but I did not expect to see him, to listen to his voice, to be hugged... I didn't expect him at all.

17 de junho de 2018

Eu não quero ser o crush de alguém.

Ser o crush significa ser uma das opções, ser alguém por quem a outra pessoa sente algo sim, mas não forte o bastante para deixar todo o resto de lado. Ser crush significa ficar, significa algo passageiro, rápido, sem muito significado. Ser crush não é ser especial, é ser uma quentinha, um interesse, um atração... E tudo bem ser tudo isso, não tenho nada contra os crushs por aí, mas eu quero mais.

Eu quero ser a primeira opção de alguém, quero ser aquela pessoa por quem a outra não tem dúvidas do que sente, quer ficar com ela e só com ela, quer dizer "eu te amo" e construir uma vida. Eu quero me sentir especial para alguém mais do que eu mesma. Quero me sentir boba e ainda assim ter coragem de dizer o que quero porque confio no outro. Quero não me torturar querendo saber se a pessoa gosta de mim ou não, porque ela tem tanta certeza de como se sente em relação a mim que não consegue disfarçar, não quer disfarçar.

Eu quero um amor. Um amor de certezas e planos para o futuro, um amor de olhares significativos e discussões bobas, de mãos dadas e conversas longas. Eu não quero sentir ciúmes, não quero brigar por olhares trocados, não quero ter dúvidas e medo de confiar. Quero sentir vergonha de falar e dizer mesmo assim, porque não tenho medo do seu julgamento.

Eu quero alguém que me diga o que sente mesmo com medo, porque esse sentimento não cabe mais nele(a) e quero me sentir assim também, assustada e com medo de não ser correspondida, mas transbordando de um amor que precisa ser correspondido. E é.