27 de outubro de 2007

Filhotes desesperados

Não falo somente de cachorros, me refiro também a todos os filhos de todas as espécies...como eu e meus animaizinhos.
Por animaizinhos me refiro a meu gato filhote, meu passarinho filhote e meu mais novo cachorro filhote.
Sabe quando eu tinha 10 aninhos meu pais achou um filhote de gato no telhado e me deu...não durou se quer uma noite. Eu ganhei antes do jantar e dei leite e tudo o mais depois fui comer e como na época eu dividia um quarto conjugado no hotel do meu pai com meu irmão não ouvi o choro dele durante o jantar, mas quando eu e meu irmão voltamos para o quarto e fomos dormir a gata não parava de chorar e meu irmão ficava mandando eu calar a boca dela, eu comecei a ficar desesperada com o terrorismo dele e antes da meia noite pedi para meu pai entregar ela para alguma outra pessoa. Achava que a culpa era minha por não ter idade e ser fraca e tudo o mais.
Quando entrei na sexta série já morava em Sampa de novo, a reforma da minha casa tinha terminado e minha mãe decidiu realizar meu desejo de ter um animalzinho, decidiu comprar um persa que sempre foi o sonho de consumo dela. Eu tenho alergia a gatos e cahorros por causa do pelo pedi por um siames, mas hoje não troco meu persa por nada. A primeira noite dela foi bem diferente da da outra, a Mel ficou um tempo no meu quarto e depois como eu fiquei um pouco desesperada por causa do choro dela eu e minha mãe colocamos ela para dormir na area de serviço, na manhã seguinte ela estava dormindo confortavelmente no sofá...hoje chego a conclusão de que ela já esta comigo a 5 anos porque na primeira noite meu pai e meu irmão não estavam em casa para fazer terrorismo. Mas agora que ele mora comigo vive reclamando do pelo dela e de como ela é carente. Ele pode não ter feito terrorismo na primeira noite, mas faz agora
No começo de setembro ganhei minha cachorra, ela tinha um mes e meio e era a coisa mais boba do mundo, ainda é porque ela só tem 3 meses e meio. Na primeira noite eu coloquei ela para dormir no meu quarto só que a danada chorou tanto que a meia noite eu coloquei ela no quarto da empregada, na manhã seguinte ela tinha bagunçado todo o quarto. Na segunda noite dela aqui ela chorou tão alto que minha mãe teve que descer e dormir no quarto dela das cinco da manhã as oito! A Mel chorou bastante na primeira semana, mas não tanto quanto a Tuka porque a tuka era mais nova e a mel tinha 3 meses quando pegamos ela, além do mais gatos são orgulhosos demais para chorar tanto e tão alto. Desde o primeiro dia da tuka aqui em casa meu pai, que antes não morava comigo veio a morar ano passado, fez terrorismo dizendo que eu teria que limpar tudo, que ia terque dar comida e que se ele ouvisse um pio durante o dia ou a noite quem ia ter que levantar era eu....tudo isso e mais. Fiquei apavorada até porque no começo eu era contra a cachorra quem pegou foi minha mãe! Resolvi dar apoio fingindo ser forte diante do meu pai, afinal quem paga as despesas do cachorro é minha mãe quem tem que reclamar se eu cuido ou não é ela! Só que ele não ve assim e de certa forma sei que ele esta certo, só que ele não sabe como me bate um desespero cada vez que ela começa a latir por causa de algum dos milhares de motivos dela, também da desespero quando ela brinca alto demais ou quando ele chega perto dela para brincar! Me da raiva, ódio, nojo isso tudo. Porque ele faz um terrorismo absurdo me fazendo desejar que ele de logo a cachorra ao invés de me atormentar assim. Só que depois ele vai lá e brinca com ela, só brinca porque limpar coco, aturar latido e dar comida que é bom nada!
Dou graças a deus pelo torrada, meu passaro, morar na casa da minha vó junto com o spike, "meu" outro cachorro, assim ele não pode brigar comigo cada vez que o torrada cantar uma daquelas melodias sem ritimo, ou com o spike quando ele fica desesperado com a ausencia da minha tia.
Fico revoltada, desesperada e como sempre não posso falar nada porque além de ele não ouvir inda vou levar bronca! SEM MOTIVO o que é pior! Eu só queria que ele soubese como a gata e a cachora são importantes para mim e como eu iria ficar desesperada se algo acontecesse com eles, uma unha quebrada que seja!

Ps: Torrada - Periquito verde e amarelo que fica com a periquita da minha prima na gaiola que fica na casa da minha vó, do outro lado da rua.
Spike - Cocker Spaniel dourado que mora com a minha vó e que na verdade é da minha prima e da minha tia, mas que eu tenho consideração.
Melanie - Apelido: Mel - Virou nome. Persa cinza e branca, que mora comigo desde que eu tenho 12 aninhos e é a coisa mais linda e mais gorda do mundo todo.
Tuka - Pastor Alemão capa preta com Pastor Belga. A vira lata mais linda e mais boba do mundo todo! Mora comigo desde o começo de setembro.

18 de outubro de 2007

A princesa desapaixonada

Sempre se preocupando com que roupa vestir.
Sempre andando sem olhar para trás.
Sempre pensando em como fica sua imagem no espelho.
Sempre sendo auto suficiente e forte.
Sempre preocupada com o mundo externo e com sua aparencia diante dos olhos daquela pessoa especial, se arrumando para ela, se preocupando com ela. Mesmo sabendo que não vale a pena fazer isso pelo amado ela faz. Sempre um amado diferente, mas sempre o mesmo ritual. E mesmo tão dependente da opnião dele ela é totalmente independente dele. Nunca correspondida aprendeu a lutar e receber não, endureceu sua opinião. Amando o outro por conveniencia sem nem saber o que é realmente amar, sem experimentar do verdadeiro cálice ela já aprova o conteudo.
Pelo menos era assim.
A Princesa independente cresceu e aprendeu que no jogo do amor também vale ser correspondido, aprendeu que não adianta dar tudo de si mesma sem receber tudo do outro, descobriu que nunca amou verdadeiramente e estava disposta a amar. Percebeu que não tinha se quer sido amada de verdade, decidiu que queria achar alguém por quem valeria apena chorar. Descobriu que não era tão auto suficiente como pensava, achou no seu interior uma criança ainda frágil e que precisava de cuidados de um alguém muito especial. Sabia que ainda iria achar esse alguém. Queria viver que nem nos filmes e acabou decidindo finalizar o ritual. Resolveu se desapaixonar por estar apaixonada. Agora só ia realizar se entregar por quem valesse a pena e ela sabia ser bem seletiva quanto a isso.