7 de dezembro de 2008

O jogo

Eu queria falar, escrever, para todo mundo gritando em letras garrafais como eu me sinto. Mas eu não sei como fazer isso. Eu sei gritar, sei escrever, só não sei como eu me sinto. Tem um negócio aqui dentro de mim, ele esta me incomodando, acho que deve ser meu ego murchando. Antes eu estava com esse frio na barriga, um pouco de medo, um pouco de adrenalina, nada de culpa. Agora eu sinto culpa.

Eu entrei achando que não podia perder nada, ia jogar limpo, eu estava com medo de ganhar, mas nunca cogitei a possibilidade de perder. A derrota dói. Eu não deveria ter apostado, se eu ganhasse uma pessoa com quem eu me importo iria sofrer. Durante o jogo eu descobri que tinha perdido. Não queria ganhar, mas de repente doeu ver outra pessoa ganhar, me ver perder. Talvez o que tenha doído não tenha sido apenas a derrota, mas também a mentira, a outra mentira. Eu já devia saber e esse platonismo dos outros já não devia doer. O pior é que eu tento ser legal e ficar brava pela mentira ter afetado a ganhadora, mas é inegável eu estou assim porque a mentira me machucou. A mentira sempre machuca. Talvez mais uma vez eu esteja sendo uma cética e cínica em relação ao sentimento dos outros, egoísta também, mas não posso fazer nada. Por pior que eu seja essa coisa aqui dentro, que me faz perder a vontade de sorrir ainda ocupa um bom espaço.

O mais surpreendente é eu me importar tanto com quem ganha, quem perde, quem mente e quem sente. Eu estava com medo de ganhar, o que eu faria se ganhasse? Acho que só dói assim porque é inesperado, eu me sentia bem por estar acima e descobri que estou junto com todo mundo.

Sou só mais uma.

Eu queria ser especial, egoísmo meu eu sei, faz parte desse meu sistema narcisista. Narcisismo também é uma possibilidade, afinal eu descobri que não sou o centro do mundo, na minha concepção eu jamais poderia competir com quem é e nem sabe. Mas será que estou julgando certo?

Meu problema não é ver a ganhadora mais, afinal a ganhadora no meu julgamento doentio se quer ganhou. Ela ganhou para o publico, eu perdi para mim mesma, mas quem esta no topo de fato é quem nunca saiu e com isso acho que por mais platônico que seja ninguém pode competir.

Acho que esse negócio aqui dentro que eu nem sei o que é, é na verdade uma sensação de derrota. Eu perdi um jogo que eu achava estar ganhando, mas a verdade é que nunca houve jogo. É, acho que o que eu sinto aqui dentro é meu ego murchando, meu orgulho ferido e meu ciúmes gritando.