12 de abril de 2013

Amigas de infância

 

8919300375

Uma vez ouvi em um comercial que a melhor coisa em encontrar amigos de infância era voltar a ser criança, mas não se se concordo com isso. Com as minhas amigas de infância existe uma relação tão completa, tão complexa, tão íntima que não acho que eu volte a ser criança com elas, acho que com elas eu sou eu mesma, completamente eu mesma. Com as minhas amigas eu fico sem medo de ser boba, sem medo de me mostrar insegura, sem medo de ser julgada, sem medo de que aquilo vá acabar, porque já passamos por tantas coisas juntas que acho que para acabar com a nossa amizade só se for a terceira guerra mundial. Com as meninas eu posso me viciar em amores platônicos e dizer coisas repetitivas e sem importância nenhuma que elas vão valorizar, perguntar detalhes, tentar entender… Elas não me censuram nunca e quando o fazem é porque tem razão em fazê-lo. Por elas vou a Pirituba de ônibus as seis da tarde, faço whatssup e skype, começo a ir ao teatro, deixo de usar salto alto, vou a praia no inverno e pago mico em redes sociais sem peso nenhum na consciência. E sinto falta de encontrá-las, todas juntas para uma festinha do pijama, ficar acordada até tarde falando besteira e dormir no meio da conversa dizendo que só estou descansando os olhos… mal vejo a hora da Paula voltar para poder chamar todas para passarmos um fim de semana, ou uma noite só que seja, juntas, só nos 4, para fofocarmos coisas sem importância, trocarmos presentes e vermos as fotos.

Mas acho que não só com elas, se eu tivesse mantido amizade com meus outros amigos de infância acho que seria igual, mas a adolescencia não foi minha melhor fase e eu fiz besteiras nela, como perder contato com meus amigos de infância. Essa noite sonhei com os meninos, o diego, o felipe e, principalmente, o murillo, talvez seja porque tenho o último no facebook, então, de certo modo, é o único com quem mantive contato. E o sonho deixou uma impressão forte em mim, de saudade do Murillo, da minha relação com os meninos e no sonho eu dava um abraço tão apertado no Murillo que me deixou com saudades deles. Queria que eles ainda fizessem parte da minha vida. Queria ter mais contato com o Murillo e saber em quem ele se tornou, ele foi uma das pessoas mais legais que eu conheci e não tenho idéia de como está a vida dele agora, mas ainda assim eu olho o facebook dele e sei que se eu precisar, se realmente precisar posso confiar nele, ele me ajudaria se eu pedisse. É uma confiança irracional, mas está aqui no meu peito e eu queria saber se é real, se mesmo tendo ficado tanto tempo distante ainda teríamos aquela relação, se nosso timing errado agora estaria certo, se não é dele que a cigana falou… Talvez ele mereça um esforcinho da minha parte, ele é o Murillo meu maior amigo de infância, o mais antigo…

Então é, talvez voltemos a ser crianças com nosos amigos de infância, mas acredito que isso acontece porque com eles podemos baixar a guarda, confiar e esquecer dos nossos problemas sem medo de nos decepcionar.

Nenhum comentário: