7 de novembro de 2013

Espiral de ilusão

 

OgAAANz785fM-OW99D0E8BeN9L-xaOnZIQzB8ppsOU4Y3qu5ggfCNgczL2KuACMaZR5mu1SuQNXkTlkKpC8zBqjzPDoAm1T1UPAhTZ7MEIvUu4K2bNH1ksK1gaD- 

Conte comigo para lembrar do passado, eu adoro, além da alegria meu sentimento favorito é a nostalgia, e dá-le masoquismo. Eu adoro me lembrar do passado, ver no facebook os amigos de infância e sentir saudade daquele tempo, mas principalmente me perguntar o que seria de nós se estivéssemos nos falando, se ainda fôssemos amigos. E ás vezes eu me lembro daquela paixonite, daquele talvez e de repente me vejo me imaginando um encontro com aquela pessoa de novo, o que eu falaria, o que ela falaria, se nos tornaríamos amigos, se seria algo mais, se nos casaríamos… Do passado distante eu me transporto para um futuro distante e utópico num espiral de ilusão, em geral com a mesma pessoa, do qual só a minha mãe consegue me trazer de volta.

Conte com a minha mãe para estragar seu sonho com uma realidade dolorosamente cruel. Ou nesse caso, uma lembrança perfeitamente queimadora de filme sobre aquela pessoa. Eu, sonhando com nossos filhos e minha mãe me lembra daquele detalhe brochante, daquela atitude decepcionante. Se nossa personalidade se forma até os seis anos e depois apenas se desenvolve essa pessoa seguiu essa linha a risca, mas será que quem somos agora é uma versão mais… aprofundada de quem éramos quando criança? Será que esse detalhe chato piorou com o tempo?

Eu sempre fui mimada e continuo assim, odeio quando as coisas não são como eu quero e sempre sou eu que organizo passeios, festas e encontros, do mesmo modo que era eu que mandava na brincadeira quando criança. Continuo timida e insegura, mas adorável quando me solto e entro na brincadeira, ainda tenho ataques de raiva súbita e quero matar alguém, mas já não bato em ninguém, tento me controlar. Ainda choro quando estou com raiva ou frustrada, ainda adoro nadar e só sou completa com praia. Ainda protelo na hora do estudo e adoro acordar tarde. Mas será que meus defeitos pioraram?

Será que ele se sente do mesmo jeito que eu? Ou ele nem se lembra de mim, porque não tem esse apego masoquista ao passado? Eu queria mesmo reencontrar algumas pessoas, ver o que elas se tornaram e se eu fiz um bom negócio ao tirá-las da minha vida, ou ao deixar que elas se fossem. Queria reencontrá-las para talvez assim entender melhor quem eu sou e como está minha vida agora, afinal é olhando o passado que nós podemos mudar o futuro, né?

Nenhum comentário: