21 de novembro de 2014

Ela tem tudo

disposicao-para-o-dia-a-dia

Ela é loira e tem o cabelo curto, a cor dos olhos um mistério, mas eles eram levemente puxados, o rosto redondo e ela era alta, magra, a blusa larga não mostrava curvas, mas a calça justa fazia a imaginação voar. Ela estava em um grupo, duas mulheres e quatro homens, mas a outra moça, que devia ser um pouco mais nova, nem aparecia, quem dominava o ambiente era ela, seus 30 e poucos anos e seu riso fácil.

A banda começou a tocar e ela que já estava de pé logo começou a dançar, braços no alto, um sorriso na boca e o corpo se mexendo no ritmo da música.  Ela dançava com um colega, abraçava o outro, ria de alguma coisa do terceiro, eles falavam entre eles e com ela, todos juntos e se divertindo. Todos de social, já estavam ali há algumas horas, happy hour de véspera de feriado que se prolongou, e a diversão rolava solta, regada a muita cerveja, músicas e risadas. Ela parecia estar com todos, parecia ser de um só, parecia ser de ninguém.

Com um deles havia mais intimidade, uma química rotineira de casal casado, a garçonete até comenta, ambos dizem que estão juntos, são casados, mas ela não acredita e vai embora dando risada enquanto eles ficam ali rindo também. Depois do segundo set de músicas eles se sentam, ela está de pé chega ao pé do ouvido do “marido” cochicha alguma coisa, faz um sinal. Ele balança a cabeça em negação, ela diz mais alguma coisa, ele faz não com a mão. Ela não se abala, dá um selinho nele, vai até o outro colega e puxa ele pela mão, ambos se dirigem para longe do grupo, mas antes, ela, por cima do ombro e lançando um olhar de maliciosa vitória para o “marido” mostra o dedo do meio. Ele ri, dá os ombros e continua conversando com os outros. Não está com ela, não é dela e não queria ficar com ela naquela noite, sem ressentimentos e ela sabia disso, todos ali sabiam, inclusive o que foi. Minutos depois ela está encostada na parede de algum canto do pub, o o que foi está na sua frente, e os dois estão se beijando com vontade e voracidade.

Ninguém a julga. Sua leveza, sua vontade, sua alegria, seu sexo, seus amigos, sua vida. Ela faz o que quer e não se permite censurar por ninguém, é segura de si e sabe escutar um não sem se deixar abalar. Ela é a mulher moderna, a que todas as jovens querem ser, livre, leve, solta e feliz. 

Nenhum comentário: