10 de dezembro de 2015

No chão da livraria mais próxima

Eu criei um hábito de antes do trabalho, tendo uns minutinhos, passar na Fnac e ficar em um canto qualquer sentada no chão, lendo, escrevendo, pensando... É uma forma de meditação, um tempo meu, uma coisa que dribla a ansiedade e me traz paz. Então aqui estou eu novamente, dessa vez pensando na semana que eu tive, repensando tudo e vendo qual a melhor pauta para a terapia hoje. Foram tantas coisas... 

Acho que tudo começou no sábado, quando fui em uma festa com meu irmão e minha cunhada. Festa estranha, gente esquisita. Eu não conhecia ninguém a não ser eles dois, eles também não conheciam muita gente, mas pareciam muito mais confortáveis. Era numa casa grande, luz baixa, dj tocando mpb dançante, luz negra, pintura na pele e roupas de gente de humanas. Lá pelas três da manhã a polícia bateu, de boa, só conversaram e mandaram baixar a música. Logo depois deles, nós também fomos embora. Não que tenha sido aquele pesadelo que a ansiedade pinta, mas não foi exatamente bom. O ruim mesmo é meu irmão sempre me tratar como criança, é a tentativa de me agradar. Não agradou, mas não foi tortura também.

Depois temos a prova, que não foi bem e fiquei para a final. Tudo bem. Eu sempre pego uma subs, e o que é uma final quando se tem dez matérias? Parando para pensar, eu me superei. Sim, porque peguei uma final entre dez, porque foi um semestre sem meio período em véspera de prova, porque a turbulência emocional bloqueou muito a intelectual ao longo do semestre. Então é, estou com raiva, afinal, só me faltou meio ponto, mas estou conformada.

Temos ainda que me chamaram pra festa de fim de ano da 7. Sim, não basta deixar saudades, eles tem que ser incríveis depois também. Eu fiquei ansiosa, dessa vez uma ansiedade boa, altas expectativas, que eu sei que não serão alcançadas, mas que nascem mesmo assim. Claro que não fui a única a ser chamada, os outros dois também foram e ainda bem, sozinha eu não iria. A dani talvez não vá, mas eu e o lucas vamos. Comprei até um vestido novo pra isso... Não sei porque essa animação toda, mas fiquei muito feliz em ser lembrada, tão feliz que nem estou me pegando muito ao fato de que a L vai estar lá. É que com ela lá pode ser estranho, já que ela é minha atual chefe, mas ela é legal.

Essa semana no meu trabalho percebi isso. É que lá impera um controle de qualidade muito rigoroso e eu sei que deixo a desejar. Por um lado, é bom, tenho aprendido a ter mais atenção no que faço e a dar valor as coisas pequenas e a forma, não só ao conteúdo, porque essas coisas são importantes pra eles e pro trabalho de forma geral. Por outro lado, isso coloca uma pressão extra em cada coisa que eu faço, e também acabo me preocupando mais com meus errinhos porque sei que eles se preocupam e sei (e temo) a descartabilidade das pessoas ali. Mas no fim do dia ela é legal, meu problema é que eu tenho medo de não alcançar as expectativas dela, e por consequência, não manter as dele. Mas eu sou assim com tudo! 

Sábado, logo depois da festa tive uma briga com a minha mãe sobre isso. As expectativas dela para mim são de que eu seja como meu irmão. Bom, eu não sou e me irrita e, machuca um pouco, que ela não aceite isso e ache valor em quem eu sou.

E aí, por último, mas não menos importante, temos essa entrevista que fiz hoje. Sociedade de economia mista. O salário é maior do que o meu atual, mas é sociedade de economia mista. Eu não sei se passei, até acho que não porque fui mal na entrevista, mas o que fica dessa entrevista é maior, é a pergunta "o que eu quero da minha vida?". Se eu passasse teria um trabalho mais tranquilo, teria meio período em época de prova, teria tempo pros estudos, oab, tcc, tudo o que tinha na CET, mas com um salário melhor. Mas também teria um grande desemprego ao fim do estágio, isso comigo quase sem experiência em escritório e ao fim da faculdade. Se eu quisesse concurso isso seria bom. Mesmo. Perfeito. Mas eu não sei o que quero. Prestar concurso me remete ao vestibular e toda aquela frustração e eu não sei se quero isso de novo, apesar de estar começando a a achar seriamente que só ali conseguirei a qualidade de vida que me interessa. 

E aí? Vamos falar sobre o que?

Nenhum comentário: