30 de outubro de 2018

O meu querer

Eu não quero que isso acabe então evito escrever o fim. E enquanto escrevo me questiono o quão real escrever o torna. Escrevo com medo de estar certa, não querendo jogar toalha nesse calor bom que aquece meu coração. Quanto será que estou fujindo dos meus sentimentos com cada palavra digitada? Porque não sei se escrevo para encerrar pois acabou, ou só porque estou cansada e me auto-sabotando de novo.

É que você não me ajuda, não demonstra nada e eu acho que estou carente, só queria um carinho e um elogio. Você não me dá isso e eu não sei se é seu jeito ou é falta de querer. Você tem alguma ideia do meu querer? Essa é a grande questão, né? Eu nunca deixo claro, eu nunca te mostro nada, e reclamo que você também não o faz. Talvez você seja simplesmente tão covarde quanto eu.

E enquanto escrevo o que era para ser a minha despedida do meu querer percebo que não tenho esse direito. Não tenho o direito de desistir antes de deixar cristalino para você o que eu senti. O que eu sinto. O meu querer.

28 de outubro de 2018

A luz que vem depois será muito mais brilhante

Tem gente soltando fogos de artifício e gritando nas ruas em comemoração ao novo presidente do Brasil, um cara machista, homofóbico e racista. Tem pessoas comemorando como se fosse jogo de futebol a vitória de um cara que diz que bandido bom é bandido morto, que passou 28 anos como deputado federal e só aprovou 2 projetos, que ganhou as eleições na base da fakenews e discurso de ódio.

Eu sinto pena. Pena desse povo que pensa que com ele as coisas serão melhores e a economia vai deslanchar. Eu sinto medo. Medo de que ele tire meus direitos, de que seus discursos de ódio incitem pessoas a serem violentas comigo, com meus amigos e até com os desconhecidos. Eu sinto que as coisas ainda vão piorar antes de melhorar e eu espero estar errada.

Espero que ele não piore a situação, espero que ele ouça seus conselheiros e ministros, espero que ele cuide da educação e da saúde, que respeite as instituições, que não ignore a democracia. Eu gostaria que ele fosse o presidente que as pessoas que votaram nele acham que ele vai ser, mas só aquelas que votaram esperando mudança e um futuro melhor.

Dói meu coração imaginar quão ruim pode ser esse governo, dói imaginar a possibilidade dele fechar o congresso ou acabar com o STF, dói imaginar a possibilidade de uma ditadura militar, dói tanto que me vem uma bola na garganta. Mas agora não podemos fazer mais nada. Agora só nos resta torcer e esperar a escuridão passar.  


14 de outubro de 2018

Uma cena qualquer


  Se alguém perguntasse o que levou a cena seguinte, ela não teria a menor ideia do que responder. Ela sabia que ele tinha dito algo e que ela retrucou quase em tom de desafio, mas do que eles falavam mesmo? Tudo o que ela conseguia se concentrar naquele momento era no sorriso dele, nos olhos... Ele trazia um sorriso divertido como resposta ao que ela havia dito, mas também a olhava como se ela houvesse cruzado uma linha que não deveria, ele se sentia desafiado e estava satisfeito por isso.  

  Era a desculpa que ele precisava para se aproximar, ele a puxou pela cintura sem esforço nenhum, ela não tinha a menor vontade de lutar contra aquele movimento, não quando ele ficava cada vez mais perto e seu perfume cada vez mais forte. A respiração dela acelerou, reflexo de seu coração que martelava cada vez mais rápido, cada vez mais forte contra o peito. Quando seus corpos se encostaram ele pausou por um segundo, sorriso ainda no rosto, mas agora uma expressão vitoriosa, de quem sabe que tem o que quer bem na palma das mãos. 

  Ela era completamente dele naquele momento e nunca esteve tão tranquila ao se ver tão vulnerável. Logo ela, tão independente e auto suficiente, tão provocadora, tão forte e desafiadora. Mas ele não estava sorrindo vitorioso por ter conquistado essa mulher tão impossível. Ele sorria vitorioso porque estava prestes a beijar a garota que lhe tirava o sono há mais de seis meses, aquela que ele achava que só poderia ter nos seus sonhos mais ousados. E mesmo depois que seus lábios se encostaram, que toda a cena se desenrolou como é esperado que se desenrole, ele ainda sorria.

 

4 de outubro de 2018

Desvarios

She demands attention. There is nothing wrong with that. It's who she is. She always find a way of having the attention she wants, usually from everybody, for her. It's fine. But it's not who I am.

I don't demand attention. I exist and if you want to give me your attention, that is fine. If you don't want, then that is your loss. Because I will not run around asking for your attention, telling stories e making jokes to impress you and grow your ego. I am not a puppy, honey. I am a grown woman with high self steam and other options. Too busy to give my attention to someone who don't try to give me theirs.
- - -
She said the veil is important. I can't feel that yet, but I can try to live with it for a while. Cause it is not so bad. The chills, butterflies, jokes... if I bring the veil down I will lose that too and I don't think I am ready to lose that just yet.